A História do Clube de Regatas do Flamengo – A fundação

Foto da primeira Sede do Flamengo
Vou começar a partir desta postagem a falar da história do Clube de Regatas do Flamengo. O Clube mais popular do Brasil, conhecido como o “Mais Querido” e que carrega uma mística que só quem torce para este grande Clube é que sabe do que estou falando. Para começa, vou falar da fundação.
A fundação
Casa onde foi fundado o Flamengo
O Flamengo já nasceu com a garra e o espírito vencedor


A história do Flamengo é de muito tempo antes. Estamos falando de um clube que desde a sua existência escreveu sua história em três diferentes séculos, um clube que nasceu apenas seis anos após a proclamação da república. Contar a história do Flamengo é, sem dúvida, contar um pouco da história do país, afinal como bem definiu o escritor Ruy Castro em “Flamengo, o vermelho e o negro”, podemos dizer em relação ao Flamengo que “O Rio foi seu berço, mas sua casa é o Brasil”. Mal sabiam aqueles que um dia sonharam a criação de um grupo de regatas, o alcance desse amor pelo esporte.

A cidade do Rio de Janeiro em 1895 vivia um momento de grandes transformações sociais e políticas. Era ainda o despertar da república, proclamada em 15 de novembro de 1889 após o golpe dos militares liderados pelo Marechal Deodoro da Fonseca, na antiga Praça da Aclamação (hoje Praça da República). Uma cidade grande, o centro urbano de maior referência para o país naquele momento, onde havia pessoas das mais diferentes classes sociais, os mais diferentes gostos culturais que direcionavam já àquela época os costumes da sociedade. Era um Rio de Janeiro de belezas naturais incontestáveis como as praias do Flamengo e de Botafogo, mas que ainda não havia feito de Copacabana, Leblon e Ipanema locais com a mínima importância, afinal não passavam de longícuas e inacessíveis regiões da cidade, até aquele momento.
 
A natureza esportiva do carioca não é de hoje. Desde muito tempo esse povo é inclinado à prática de atividades físicas e o esporte daquele momento era o remo. Nada mais atrativo à população do que assistir a um domingo de regatas era o grande programa de um belo fim de semana. Claro que isso conferia aos atletas praticantes do remo um status acima da média. E por conseqüência as moças de então tinham seus olhos voltados para os remadores, quase sempre fortes e bronzeados pelo sol.

E percebendo isso foi que alguns amigos, moradores da praia do Flamengo – a mais antiga praia da cidade do Rio de Janeiro – decidiu pela criação de um grupo de regatas do Flamengo. E porque não? Afinal não suportavam mais a presença dos remadores dos clubes já existentes até então, principalmente os rapazes de Botafogo, conquistando o coração das garotas do bairro.

Em setembro de 1895, reunidos no famoso restaurante Lamas no Largo do Machado – como de costume – José Agostinho Pereira da Cunha convidou os demais amigos para a efetiva criação do grupo, sendo prontamente atendido por Mario Spíndola, Augusto  da Silveira Lopes e Nestor de Barros.
 
O novo grupo tinha agora seu primeiro desafio: Como conseguir um barco? Decidiram então juntar dinheiro – 400 mil réis – e investiram em uma antiga baleeira de cinco remos, que estava a algum tempo parada em uma casa da praia do Flamengo. O segundo passo seria providenciar uma reforma completa da embarcação, que já era de segunda ou terceira mão. A levaram de bonde até a antiga praia de Maria Angu, atual praia de Ramos, para que um armador local, ao preço de 250 mil réis, a pudesse recuperar.
 
Eis que em 06 de outubro, a embarcação batizada pelo grupo por “Pherusa” foi lançada ao mar com Nestor de Barros, Mario Espínola, José Felix da Cunha, Felisberto Laport, José Agostinho Pereira, Napoleão de Oliveira, Maurício Rodrigues Pereira e Joaquim Leovegildo dos Santos Bahia. Partiram da Ponta do Caju, durante a tarde, com destino à praia do Flamengo. Pouco tempo depois de iniciada a aventura, o tempo começou a virar e o forte vento provocou o naufrágio da embarcação. Todos se agarraram como puderam ao casco, lutando contra a morte. Joaquim Bahia, exímio nadador, decidiu lançar-se ao mar em busca de ajuda, sua intenção era alcançar a praia e providenciar socorro para os demais. Algum tempo depois, já com o tempo melhor, os jovens são resgatados por uma lancha, Leal, que levava passageiros que estavam na Igreja da Penha. A Pherusa foi rebocada até o cais Pharoux, na Praça XV e todos tinham uma única preocupação até aquele momento: A vida do amigo Joaquim Bahia. No entanto, Bahia consegue chegar à praia, na Ilha de Bom Jesus e comunica o ocorrido ao delegado da 18ª circunscrição. Todo o acontecimento com os integrantes da baleeira e de seu valente tripulante foi registrado no jornal do Commercio do dia seguinte. O clube já nascia sob uma áurea de heroísmo e superação.

Persistentes, os jovens se cotizaram para que a baleeira fosse novamente consertada. Porém, antes que isso ocorresse, ela foi roubada. Poderia ser motivo o bastante para que muitos desistissem do objetivo de formar o grupo, mas não para aqueles rapazes: Todos mais uma vez se reuniram e juntaram recursos para uma nova aquisição, chamada Etoile, a qual rebatizaram com o nome de Scyra. Para concretizar de vez o sonho, marcaram para a casa de Nestor de Barros, na Praia do Flamengo número 22, no dia 17 de novembro, a reunião para a fundação do Grupo. Participaram da reunião: José Agostinho Pereira da Cunha, Mario Espínola, Napoleão Coelho de Oliveira, José Maria Leitão da Cunha, Eduardo Sardinha, Carlos Sardinha, Desidério Guimarães, Maurício Rodrigues Pereira, George Leuzinger, Augusto Lopes da Silveira, José Augusto Chauréu e João de Almeida Lustosa, que elegeram Domingos Marques de Azevedo como Presidente, Francisco Lucci Colás como Vice-Presidente, Nestor de Barros como Secretário e Felisberto Cardoso Laport como Tesoureiro. Decidiram também que a data oficial da fundação seria 15 de novembro, devido ao feriado da Proclamação da República. As cores escolhidas foram o azul e o ouro, em listras horizontais. Posteriormente, em 1896, as cores mudaram devido à dificuldade de achar os tecidos, que vinham da Inglaterra, além de a salinidade e o sol desbotarem as cores. Assim, o uniforme do clube passou a ser uma camiseta em listras horizontais em vermelho e preto, com o escudo no lado esquerdo, além de bermudas pretas e um cinto branco. A sede do Flamengo ficou sendo o endereço de Nestor de Barros,  posteriormente  conhecida como República da Paz e do Amor, onde os barcos seriam guardados. O interessante é que o primeiro presidente do Flamengo, Domingos Marques de Azevedo, não fazia parte do grupo de rapazes que idealizaram o clube. Ele era um Guarda-Marinha que por acaso passava pelo local e observando a movimentação foi ver do que se tratava e acabou abraçando a idéia.

Comentários

No Comments

Leave a Comment