É preciso analisar o todo!

Faltando 4 dias para a “reestreia” do Flamengo na CONMEBOL Libertadores, o rubro-negro viajou a Fortaleza com a missão de trazer a vitória na bagagem e tranquilidade para a viagem rumo à competição continental, na qual busca o tricampeonato. Assim sendo, Domènec mandou a campo um time quase alternativo, deixando de fora alguns nomes bem conhecidos da torcida, para que os mesmos estivessem a todo vapor na próxima quinta-feira.

As novidades foram o retorno de César; Gustavo Henrique e Léo Pereira juntos fazendo a zaga; Thiago Maia fazendo a “volância” ao lado de Arão; e na frente Michael, Vitinho e Gabigol. Um bom time no papel, mas que na prática, o futebol é muito mais do que rabiscos, existe uma tática a ser utilizada e realidades diferentes, de cada jogador.

O Flamengo criou chances na primeira etapa, Gabigol perdeu gols, mas em contrapartida, o Ceará não abdicou de jogar bola, não temeu o Flamengo. Tanto que aos 4 minutos e meio do segundo tempo, após escanteio, Luiz Otávio subiu entre nossos dois zagueiros e desviou no canto direito de César, abrindo o placar no Castelão.

Foi nesse momento que Michael foi sacado por Dome para colocar Pedro em seu lugar. Também foi nesse minutos após o primeiro gol, que veio o segundo do Ceará. Charles antecipou a marcação de Arão(que é impressionante o quanto erra o tempo de bola e quase sempre está envolvido em lances de gols adversários) e desviou de canhota no canto esquerdo de César para ampliar para o Ceará.

Verdade seja dita e apesar de eu não querer escrever outro post me queixando do jeito que o time se portou em campo durante boa parte do jogo, quem viu o jogo, viu um Flamengo apático por boa parte dos 90 minutos. Um Flamengo que deixou o Ceará se sentir à vontade e não ter medo de agredi-lo, um Flamengo que não se aproveitou da boa fase que vive e das chances que teve durante o jogo.

Em seis minutos no retorno ao segundo tempo, o time cearense resolveu o jogo e soube, taticamente falando, se segurar com o resultado que tinha conseguido e garantir mais 3 pontos na tabela do Campeonato Brasileiro.

Coisas que vão contra o discurso de maior parte da nossa torcida e que precisam ser ditas: Vitinho não é um jogador que para nada serve. Vale lembrar, era um dos que mais sofria com as cobranças de Jorge Jesus durante 2019 e que rendeu nas mãos dele. Daí porque não se vê o Dome esbravejando com ele, ele não vai render nunca mais? Precisamos ter calma e analisar as coisas. (Uma das finalizações mais perigosas do Flamengo veio dos pés dele no segundo tempo) Outra coisa a ser dita é que Willian Arão segue sendo um dos pontos fracos desse time do Flamengo. Frequentemente quando um adversário faz um gol no nosso time, foi por alguma brecha que Willian Arão deixou ao não cobrir ou não se antecipar na jogada. Pra finalizar os pontos cruciais a serem lembrados: Renê continua sendo um jogador limitado. Regular no apoio ao ataque, inseguro no que tenta e fraco na marcação, se o Flamengo enfrenta um time com jogadores um pouquinho melhores que ele.

Quinta-feira devemos ter o retorno das peças fundamentais para a engrenagem do Flamengo e temos plenas condições de sairmos do Estádio Rodrigo Paz Delgado, de Quito, com a vitória sobre o Del Valle.

 

Foto: Coluna do Fla

___

 

Por Germano Medeiros (@43Germano)

+ Siga o Blog Ser Flamengo no Instagram, no Facebook, no Twitter, no YouTube e no Dailymotion.

Ficha técnica da partida:

Ceará(4-5-1): Fernando Prass; Samuel Xavier, Tiago, Luiz Otávio e Bruno Pacheco; Charles, Ricardinho, Fernando Sobral, Vinícius e Leandro Carvalho; Cléber. Técnico: Guto Ferreira.

Flamengo(4-3-3): César; Isla, Gustavo Henrique, Léo Pereira e Renê; Willian Arão, Thiago Maia e Everton Ribeiro; Michael, Vitinho e Gabigol. Técnico: Domènec Torrent.

Gol(s): Luiz Otávio(4′ do 2º tempo) e Charles(10′ do 2º tempo) para o Ceará.

Cartão amarelo: Ricardinho do Ceará.

Árbitro: Marielson Alves Silva.

Comentários