Empate com sabor de derrota por goleada.

Definitiva e sinceramente, e ainda sob o ardor da revolta pela condução que o Flamengo deu ao jogo hoje no Maracanã, é de uma dificuldade maior que o comum analisar o que ocorreu hoje em Flamengo e Botafogo – jogo que terminou em 1 a 1.

Tentando, antes de tudo, contar como foi a partida pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro, o Flamengo entrou em campo com uma formação diferente. Sem Gerson, sem Arrascaeta, com Diego, Matheuzinho e Pedro Rocha. Domènec surpreendeu e Pedro Rocha mais ainda, pela facilidade que teve ao jogar na ponta esquerda e infernizar a zaga do Botafogo no primeiro tempo. Construiu jogadas, serviu companheiros, deixou Bruno Henrique na cara de Gatito para cabecear forte e o arqueiro pegar a bola à queima-roupa. O Flamengo do primeiro tempo produziu, mas não finalizou como deveria, não foi letal e isso custou caro no segundo tempo.

Com o Flamengo mais lento na segunda etapa, com Everton Ribeiro em baixa e Bruno Henrique forçando jogadas, flutuando pelo campo e tentando se livrar da marcação botafoguense, o jogo foi seguindo para uma zona perigosa, onde o Botafogo começava a se sentir à vontade com as arrancadas de Luiz Henrique pelo lado esquerdo e vencendo todas contra Matheuzinho, que sempre deixava uma verdadeira avenida por ali. É bom que se diga: o garoto não é um lateral ruim, só é afoito e gosta do ataque, mas esquece que precisa voltar para marcar e acabou deixando Rodrigo Caio várias vezes em apuros.

No segundo tempo, Autuori colocou Pedro Raul, um grandalhão para infernizar a vida do Flamengo e tentar o que parecia impensável, mas aconteceu. Já nos minutos finais do jogo e numa série de escanteios, o gigante Pedro Raul acertou um chutaço, sem chances para Diego Alves e colocou o Botafogo à frente no placar.

Bastou isso para que segundos após, o Flamengo que já tinha marcado um gol, anulado por Vuaden por impedimento de Gabigol, arrumasse um pênalti. No mesmo lance, Gabigol mandou no travessão, a bola deu a volta pela área, caiu no pé de Bruno Henrique que também soltou o pé direito. A bola resvalou no braço de Benevenuto, fez Vuaden ir ao VAR e marcar o pênalti. Na cobrança, Gabigol bateu no canto direito de Gatito e salvou, por ora, o Flamengo de uma nuvem de cobranças ainda pior.

Passada a análise da partida, é preciso que se diga algumas coisas. O primeiro ponto é que é inadmissível sequer empatar com o Botafogo nos dias atuais. Dadas todas as circunstâncias que o time de General Severiano vive, dado o fato de sempre jogar com o Flamengo esperando por uma bola, se fechando e deixando de jogar futebol. Dado o fato, também, do preço desse elenco milionário que o Flamengo tem. Domènec “acabou” de chegar? Certo, mas vai falar isso para o torcedor rubro-negro que já sabe tudo o que envolveu essa contratação dele, toda a pompa que ele veio… O torcedor tem razão de se irritar, “chutar o balde” e não estar feliz vendo o time permanecer na zona de rebaixamento sendo que é o atual campeão continental, que recentemente bateu de frente com o Liverpool em Doha no Catar, e hoje pena para empatar com um Botafogo.

Não quero vir aqui a cada jogo procurar meios de defender o Domènec, visto que por seu currículo no futebol, ele sabe muito, mas hoje deu sorte pelo fato de o Maracanã estar forçadamente vazio por conta da pandemia que vem assolando o mundo. Senão, hoje, fatalmente teríamos ouvido coisas como “burro”, “time sem vergonha”, ou qualquer outro grito revoltoso clássico entoado pela maior torcida do mundo dentro do templo do futebol mundial. E ela está errada? Fica o questionamento…

Ficha técnica da partida:

Flamengo 1 x 1 Botafogo – Estádio Maracanã, Rio de Janeiro.

Flamengo(4-3-3): Diego Alves; Matheuzinho, Rodrigo Caio(Thuler), Léo Pereira e Filipe Luís; Willian Arão, Diego(Thiago Maia) e Everton Ribeiro(Pedro); Pedro Rocha(Vitinho), Bruno Henrique e Gabigol. Técnico: Domènec Torrent.

Botafogo(4-4-2): Gatito; Kevin(Barrandeguy), Marcelo Benevenuto, Kanu e Guilherme Santos; Rafael Forster(Pedro Raul), Caio Alexandre(Danilo Barcelos), Bruno Nazário e Honda(Luiz Otávio); Matheus Babi(Rhuan) e Luiz Henrique. Técnico: Paulo Autuori.

Gol(s): Pedro Raul(48 do 2º tempo) para o Botafogo; Gabigol(55 do 2º tempo) para o Flamengo.

Cartões amarelos: Matheuzinho, Rodrigo Caio e Everton Ribeiro para o Flamengo; Marcelo Benevenuto, Barrandeguy e Caio Alexandre para o Botafogo.

Árbitro: Leandro Pedro Vuaden.

Foto: Coluna do Fla

___

Por Germano Medeiros (@43Germano)

+ Siga o Blog Ser Flamengo no Instagram, no Facebook, no Twitter, no Youtube e no Dailymotion

Comentários