Série – 100 anos de Fla x Flu – Flamengo 2 x 2 Fluminense – 1941 – O Fla x Flu da Lagoa

No Campeonato Carioca de 1941, o Flamengo fazia boa campanha. No primeiro turno, o Flamengo foi o primeiro no geral perdendo apenas um jogo dos dezoito jogados. Nos dois turnos seguintes, a equipe flamenga fazia uma campanha mediana e o Fluminense subiu de produção. A decisão do campeonato ficou para a última rodada que seria disputado entre Flamengo x Fluminense. Como o Fluminense tinha campanha melhor que o Flamengo, quarenta e quatro contra quarenta e três pontos, o empate daria o titulo ao tricolor. Vale ressaltar que Pirilo foi o artilheiro do Campeonato com trinta e nove gols marcados.


No dia vinte e três de novembro de 1941, Flamengo x Fluminense entraram em campo na Gávea para o tira teima. O Fluminense havia conquistado os Campeonatos de 1936, 1937 e 1938, e também o de 1940. O Flamengo havia sido campeão de 1939. A decisão de 1941 reunia os dois últimos campeões dos últimos cinco anos.

O Flamengo e Fluminense vieram assim escalados:

Flamengo: Yustrich, Newton e Domingos da Guia; Biguá, Volante e Jaime; Sá, Zizinho, Pirilo, Ruben e Vevé.

Fluminense: Batatais, Norival e Renganeshi; Og Moreira, Spinelli e Afonsinho; Pedro Amorim, Russo, Romeu, Tim, e Carreiro.

A gávea contou naquele dia com quinze mil e trezentos e doze torcedores e o jogo foi apitado por José Lemos Ferreira, o “Juca da Praia”.

Mesmo precisando vencer, o Flamengo deixou o Fluminense começar melhor a partida. O Fluminense logo de cara, mostrou a que veio abrindo dois a zero no placar com Pedro Amorim e Russo. Pirilo diminuiu para o Flamengo antes do fim do primeiro tempo.

No segundo tempo, o Flamengo chegou ao empate aos trinta e oito minutos com Pirilo novamente. A partir daí o jogo ganhou contornos dramáticos. Para o Fluminense bastava o empate para ser campeão e o Flamengo só a vitória interessava.

Os jogadores do Fluminense usaram uma artimanha curiosa; em todo ataque do Flamengo, os jogadores do Fluminense chutavam a bola para a Lagoa Rodrigo de Freitas, atrás das gerais da Gávea. Foi assim até o fim. Em determinado momento em que não tinha mais bolas, dirigentes do Flamengo mandaram os remadores o Clube buscarem as bolas na Lagoa para agilizar o reinicio do jogo.

Percebendo a cera do time tricolor, Juca da Praia expulsou Carreiro. O Fluminense ganhou mais tempo no lance discutindo com o juiz. O Fluminense tinha um craque no seu time, Romeu Pelliciari. Romeu começou a amarrar o jogo toda vez que recebia a bola. Segurava, fingia que ia, mas não ia e os jogadores do Flamengo não sabiam o que fazer. Percebendo que Romeu estava segurando o jogo, os jogadores do Flamengo começaram a fazer faltas em Romeu. Na cobrança, tocavam para Romeu que corria para a bandeirinha de escanteio esperando nova falta. O Flamengo continuava pressionando, mas não conseguia o gol da vitória.

Na época, o jogo era cronometrado. A bola saía, o juiz parava o cronometro, o que transformou os minutos finais numa eternidade. O Juca da Praia sofreu com os dirigentes dos dois Clubes pressionando e, além disso, tinha que ser enérgico com as jogadas duras do jogo. Juca deu doze minutos de prorrogação. O goleiro tricolor, Batatais, acabou virando herói, pois após deslocar a clavícula, continuou atuando na partida. Após os doze minutos de prorrogação, Juca da Praia ergueu os braços encerrando a partida para a tristeza dos jogadores e torcida do Flamengo e alegria dos tricolores com o bicampeonato.

Ficha técnica:

Flamengo 2 x 2 Fluminense

Data: 23/11/1941

Estádio: Gávea

Público: 15.312

Árbitro: José Ferreira Lemos “Juca da Praia”

Gols: Pedro Amorim e Russo (FLU); Pirillo (2) (FLA)

Flamengo: Yustrich, Domingos e Newton; Biguá, Volante e Jayme; Sá, Zizinho, Pirillo, Ruben e Vevé.

Fluminense: Batatais, Renganeschi e Machado; Mallazo, Brant e Afonsinho; Pedro Amorim, Romeu, Russo, Tim e Carreiro.

Cartões Vermelho: Carreiro (FLU).

Ps.: Segundo o jornalista e historiados Roberto Assaf, a história de que os jogadores do Fluminense jogavam a bola para a Lagoa Rodrigo de Freitas a todo instante é lenda. O mesmo argumenta que os jornais da época que cobriram o jogo, pouco enfatizaram o fato e que afirmaram até como o verdadeiro o ocorrido, mas por uma ou duas vezes durante o jogo inteiro. Outra tese que o jornalista defende para desfazer a lenda, é que na época, como foi falado no meu texto, o tempo era cronometrado, o juiz tinha que parar o relógio quando a bola estava fora de jogo.

Querendo ou não, o Fla x Flu da decisão do Carioca de 1941, entrou para a história como o Fla x Flu da Lagoa.

Fonte de pesquisa: Flapédia e Súmulas Cariocas

Acompanhe a série:

Apresentação da série – 100 anos de Fla x Flu

Pré-jogo do primeiro Fla x Flu do centenário

Série – 100 anos de Fla x Flu – O primeiro Fla x Flu da história

Série – 100 anos de Fla x Flu – O primeiro Fla x Flu do centenário

Série – 100 anos de Fla x Flu – Flamengo 7 x 0 Fluminense – A maior goleada do clássico

Série 100 anos de Fla x Flu – Flamengo 0 x 0 Fluminense – O maior público do futebol brasileiro

Flamengo 1 x 0 Fluminense – Fla x Flu das Diretas

Flamengo 5 x 0 Fluminense – Despedida de Zico

Flamengo 4 x 2 Fluminense – Final do Carioca de 1991

Flamengo 2 x 3 Fluminense – Final do Carioca de 1995

Flamengo 4 x 3 Fluminense – Taça Guanabara de 2004

Fluminense 2 x 3 Flamengo – Final da Taça Guanabara de 2004 

Twitter: @Poetatulio

Sigam-nos no Twitter: @BlogSerFlamengo

Curta a nossa Fanpage: Blog Ser Flamengo 

Comentários

No Comments

Leave a Comment