Tô nem aí, eu quero a hegemonia nacional!

Arte feita sob a imagem by Lan

Na moral, tô nem aí para o favoritismo dos tricoletes paulistas, tô nem aí para a estreia do Luisinho, a cor de sua chuteira, o brinco que eles vão usar domingo e etc… Eu quero ganhar e não me importa de quanto e como. Exijo um minímo de raça, suor e sangue nos olhos do time inteiro. Pode parecer que esteja exagerando, mas tenho meus motivos para tal radicalização.

É esse o jogo que vai determinar o que vamos buscar nesse campeonato Brasileiro. Se vencermos, somos canditatíssimos ao título. Se perdermos, vamos brigar por Libertadores. Alguns podem dizer que sou pessimista e bla, blá, blá. Mas chega uma hora em que devemos analisar as coisas com mais racionalidade. O cerco está se fechando e a cota para tropeços e palhaçadinhas já ultrapassou o limite.
A imprensa parece que dá como certa a vitória deles, pois jogam em casa e terá a estreia do bichado Luisinho. As atenções estarão voltadas para ele, sem dúvidas. Tanto da imprensa como a do time. Ao Flamengo resta anular todas as jogadas ofensivas dos bambis e fazer o feijão com arroz sem querer inventar. Tá ouvindo seu Luxemburgo? No lugar do Léo Moura ponha o Galhardo e não invente de por o Fierro e nem o Maldonado, por favor! Quando que o Fierro teve uma boa atuação jogando pela lateral e quando foi que Maldonado jogou de lateral?
Estão criando um clima de festa e oba-oba e é aí que devemos tirar proveito. A obrigação de vencer é deles, mas como almejamos o título, nós não podemos pensar diferente. É encarar o jogo como decisão e não repetir a atuação do último sábado ou então fica difícil vencer qualquer adversário. Falam em tabu, mas quantos tabus já quebramos este ano?
Adilson parece que vai armar o time com três volantes, eles sabem que do nosso lado há quem possa fazer a diferença. As piores atuações dos bambis foram jogando dessa forma. As três barangas rivais cariocas tiraram onda contra eles, por que nós não podemos tirar nossa onda? Se o Flamengo impor seu jogo e criar as jogadas ofensivas, podemos vencer.
Ainda não faço contas e nem fico olhando a tabela dos matemáticos. Acredito no título e ponto. Quero a hegemonia soberana nacional. Para isso temos que voltar a jogar o futebol que condiz com essa condição. Não falo em dar show, espetáculo, nada disso. Quero só um futebol vencedor e nada mais. Os bambis foram tricampeões brasileiros jogando o futebol mais feio e covarde que já vi e até sua torcida questionava na época o modo como a sua equipe se portava em campo. Dos adversários restantes nesse campeonato, temos condições de vencer todos sem sombra de dúvidas.
A torcida vem fazendo à sua parte, acreditando no título e apoiando de todas as maneiras a equipe. Mesmo depois da sequência amarga de dez jogos sem vencer, a Nação não pensa em outra coisa que não seja o hepta. Então, jogadores, vamos lá, entrem em campo, suem o corpo, colem o Manto Sagrado como se fosse uma segunda pele e ponham o coração na ponta da chuteira para trazer mais essa vitória. Deixem que o nosso amor incondicional ao Flamengo os invada a alma e como um exército numa batalha terrestre para conquistar território vençam com raça, e dignidade mais essa batalha.
PS1: Quero dar a minha opinião na situação do Deivid. Um jogador ficar sem receber seus direitos de imagem por mais de uma ano é um absurdo! Como é absurdo a presidente vir a público e falar que está tudo em dia! Deivid não ganha por produção, por gols feitos e nem por minutos em campo, então o cara deve receber o que lhe é de direito. A única coisa que achei desnecessária, foi o fato de às vésperas de um jogo decisivo, Deivid ir para impensa jogar merda no ventilador. E ao que tudo indica há outros jogadores com situação parecida.
PS2: Se vocês, tricoletes e bambis paulistas não gostaram do que eu disse aqui, eu só falo o seguinte: – Enfiem a mão delicada de vocês em qualquer buraco onde alcancem.
SRN!!!

Twitter: @poetatulio

Siga-nos no twitter: @blogserflamengo

Curta a nossa Fanpage no Facebook: Blog Ser Flamengo

Perfil no Facebook: Ser Flamengo

Comentários

No Comments

Leave a Comment