Um belo tapa na cara.

Ficha técnica da partida:

Escalação do Grêmio: Victor; Edílson, Werley, Gilberto Silva, Pará; Fernando, Souza, Léo Gago; Marco Antônio, Marcelo Moreno, Kléber. Técnico: Vanderlei Luxemburgo. Esquema: 4-3-3

Escalação do Flamengo: Paulo Victor; Wellington Silva, González, Marllon, Magal; Aírton, Luís Antônio, Renato Abreu, Ibson; Hernane, Love. Técnico: Joel Santana. Esquema: 4-4-2

Cartões Amarelos: Tony, Fernando(Grêmio). Marllon, González, Aírton(Flamengo).

Gol(s): Marcelo Moreno(32 min/1º tempo), Werley(4 min/2º tempo) (Grêmio).

Arbitragem: Wilson Luiz Seneme. Auxiliares: Vicente Romano Neto, João Bourgalber Nobre Chaves.

Um belo tapa na cara.

O Flamengo não vencia o Grêmio no Olímpico desde 1994, quando o fez com gol de Nélio. São quase 20 jogos na capital gaúcha com ampla e indiscutível vantagem dos gremistas; com alguns empates e muitas vitórias. Grêmio vinha de uma derrota e desclassificação na Copa do Brasil, perante o Palmeiras, e sabia que precisava muito da vitória para buscar novos ares neste ano.

Já o Flamengo vinha de duas vitórias seguidas – jogando mal diga-se de passagem – sobre Coritiba e Santos, e tinha em mente que uma vitória sobre o Grêmio no Olímpico, poderia não acalmar de vez as coisas na Gávea, mas, deixaria o time sem tanto peso nas costas.

Com Léo Moura ainda machucado, Joel novamente optou por Wellington Silva na lateral direita; a demasia de volantes se seguiu e na frente, Hernane começara ao lado de Love. Sua primeira partida como titular, sua chance para quem sabe, se firmar.

Mas é fato que o Flamengo foi posto na roda no primeiro tempo. O Grêmio mesmo sem estrelas, conseguiu facilmente se sobressair sobre o elenco rubro-negro. Marcelo Moreno não sabia, mas estava em tarde inspirada. Junto de Kléber, agonizaram a zaga do Flamengo e fizeram Paulo Victor trabalhar bastante.

Erros de passes em sequencia, pouca criatividade e objetividade, marcação desordenada e descontrolada e raríssimas chances de gol; exceto com Renato Abreu de falta. Esse foi o Flamengo do primeiro tempo.

E como foi falado mais acima, Marcelo Moreno foi acionado e correspondeu. Em jogada pela direita, o atacante saiu driblando a zaga rubro-negra, demorou mas tirou Paulo Victor da jogada e com extrema calma, tocou no canto esquerdo do gol rubro-negro. Marllon tentou salvar com a esquerda, mas não deu.

O Flamengo que veio a campo no primeiro tempo, atrasado em 6 minutos, foi ao vestiário com 1 gol atrás no placar e o peso nas costas, aumentando.

Fim de primeiro tempo.

No retorno à segunda etapa, apenas o Flamengo mexeu. Bottinelli – em tentativa de arrumar o meio – entra no lugar do sumido e bem desajeitado Wellington Silva. Com o andar do segundo tempo, o Grêmio também fez alteração. Pará saiu para a entrada de Toni. No Flamengo não deu certo, no Grêmio foi o contrário.

Logo no início da segunda etapa, escanteio fechado e bem cobrado por Edílson, que Werley no primeiro pau desvia forte e manda no fundo do gol de Paulo Victor. Difícil evitar.. o gol.

Antes do gol, Marcelo Moreno ainda teria nova chance em chute cruzado, Paulo Victor no esticar dos dedos, colocou pra fora.

O Grêmio tinha o jogo nas mãos e soube controlá-lo, já o Flamengo ficou à mercê de uma jogada brilhante de Love ou de Bottinelli. Nada aconteceu. E também os dois não jogam sozinhos.

Luís Antônio se lançou ao ataque, mas nada adiantou. O Grêmio soube se segurar. Só que não existiu aquele famoso “abafa”. O Grêmio dominava o jogo, e o Flamengo precisando demais de gols, errava muito e pecava pelo nervosismo. Kléber ainda perdeu uma chance clara de gol, dentro da grande-área.

Filho de Bebeto, Mattheus ainda entrou no lugar de Magal, pra tentar desafogar um pouco o jogo e sair do Olímpico com pelo menos 1 gol na conta. Nada aconteceu.

O Flamengo tomou olé e um belo tapa na cara.

Twitter: @43germano

Sigam-nos no Twitter: @Blogserflamengo

Curta a nossa Fanpage no Facebook: Blog Ser Flamengo

Comentários

No Comments

Leave a Comment