10 de agosto de 2022

Bastidores da possível saída do roupeiro Clebinho do Flamengo: Política externa, ameaças e tentativa de censura

6 min read

Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

Na tarde desta segunda (04), veio a público, a informação de que o roupeiro Clebinho, funcionário há 22 anos do Flamengo, havia sido demitido por conta do lançamento da sua pré-candidatura a Deputado Estadual. O profissional também exerce o cargo de vereador em Bom Jesus do Itabapoana, cidade do interior do Rio de Janeiro.


Ouça nossas entrevistas e análises no seu agregador de podcast preferido: SpotifyDeezerAmazoniTunesGoogle PodcastsCastbox e Anchor.


A possível demissão e a justificativa pegaram todos de surpresa. Segundo o jornalista Cahê Mota, do GE, a pré-candidatura de Clebinho, que teria sido anunciada em suas redes sociais, foi o estopim para que Marcos Braz, vice de futebol e Bruno Spindel, diretor da pasta, o orientassem para desistir da empreitada, e após a recusa do roupeiro, informaram o seu desligamento. A cena ocorreu às duas da manhã de domingo (03), quando a delegação voltava de Santos.

O fato de ser pré-candidato, não significa que pedi para ir embora. Na verdade, isso não procede. Em momento algum pedi para ir embora. Eu fui coagido. Estava em viagem de cinco dias com o Flamengo, cheguei quase duas horas da manhã no aeroporto, quando recebi a ligação do meu supervisor pedindo que eu fosse ao Salão Nobre porque o Marcos Braz queria falar comigo, não só o Marcos Braz, mas o Bruno Spindel. O Fabinho (Soldado) se fez presente, o Gabriel (Skinner) se fez presente“, disse ele em live no seu Instagram antes de completar:

Tentaram me coagir para que eu não viesse como pré-candidato e eu não vou abrir mão. Eu não vou abrir mão da minha pré-candidatura que foi lançada ontem, no domingo. Eles tiveram várias oportunidades para estar falando isso comigo, mas preferiram me chamar no aeroporto duas horas da manhã. Situação constrangedora“.

CRONOLOGIA DOS ACONTECIMENTOS ATÉ O LANÇAMENTO DA PRÉ-CANDIDATURA DE CLEBINHO:

Funcionário do Flamengo desde 2000, Clebinho já participava de diversos trabalhos sociais na cidade de Bom Jesus do Itabapoana. Havia sido candidato a vereador em duas outras oportunidades: 2012 e 2016. Só conseguiu ser eleito em 2020, em sua terceira tentativa. Em nenhuma das vezes, independente da direção do clube, houve questionamentos de sua participação na política externa.

Com sua ascensão como vereador, passou a pensar na ideia de vir candidato novamente e tentar um cargo de maior relevo. O assunto nunca foi segredo no Ninho do Urubu. Clebinho se preparou, buscou melhorar sua comunicação e até uma equipe foi contratada para gerenciar suas redes sociais.

Seguindo o calendário eleitoral, Clebinho resolveu lançar sua pré-candidatura em julho. No dia 25 de junho, começou a ser divulgado o convite para o evento. Como das outras vezes, o roupeiro não teve nenhuma contestação da direção do clube e seguiu com suas atividades políticas em Bom Jesus.

No dia 27 de junho, a delegação do Flamengo embarcou para Colômbia. No dia 29, o Mais Querido bateu o Tolima por 1 a 0 pela Libertadores. O retorno ao Brasil ocorre em primeiro de julho, em Santos. Clebinho trabalha normalmente. 24 horas depois, a equipe volta a campo e vence o time santista por 2 a 1. O retorno ao Rio acontece em 03 de julho, um domingo, quando o profissional da rouparia tem a reunião com a cúpula de futebol na madrugada e recebe o ultimato sobre sua candidatura.

LEIA MAIS:

Após deixar todo material no Ninho do Urubu, Clebinho se encaminha para Bom Jesus do Itabapoana. Ás 14 horas, esteve presente no Rotary Clube, local em que lançou de forma oficial a sua pré-candidatura, 12 horas após a reunião com Braz no Galeão. Não foram feitas postagens em suas redes até aquele momento sobre sua situação no Flamengo e nem sobre seu trabalho político, o que só foi feito na tarde desta segunda. A estratégia de manter o silêncio foi para ver se haveria a possibilidade de tentar reverter sua saída junto ao presidente Rodolfo Landim, pedido que fez em sua live a noite:

O presidente Landim, segundo informação, minha demissão está na mesa dele. Que ele realmente entenda, que seja justo como sempre foi, um presidente excelente, que tem se mostrado bastante próximo, bastante eficaz em suas decisões. Peço aqui ao presidente que analise realmente os fatos porque é uma covardia o que estão tentando fazer comigo. Nunca coloquei o Flamengo em segundo plano“, pediu Clebinho.

AMEAÇAS E TENTATIVA DE IMPOR O SILÊNCIO:

Com a notícia correndo nas redes sociais e portais, Clebinho se viu na necessidade de dar um depoimento para esclarecer o que de fato aconteceu. Foi marcada uma live no canal “Papo de Urubu”, no Youtube. Nesse meio tempo, pessoas ligadas ao Flamengo entraram em contato com o roupeiro. A depender do que ele falasse na imprensa, poderia ter dificuldade para receber sua verba indenizatória, receita que tem direito por conta da demissão. A entrevista foi cancelada, mas um stories foi postado em seu Instagram:

Meu Facebook e no meu Instagram, @ClebinhoReis, para explicar o que está acontecendo. Aproveito para agradecer o apoio de todos e a atenção dos canais de comunicação que estão tentando entrar em contato comigo. Peço desculpas por não responder, mas não quero fazer sensacionalismo, o Flamengo é maior que tudo e todos, e meu amor rubro-negro não muda“.

LIVE COM CHORO E DESABAFO:

Após as diversas versões divulgadas sobre sua situação no clube, Clebinho faz uma live em seu Instagram. Ele explica todo ocorrido no aeroporto do Galeão, diz que as atividades como vereador não conflitam com seu trabalho como roupeiro no Fla, se emociona em diversos momento e desabafa:

Fica aqui minha indignação, minha tristeza com a falta de sensibilidade, responsabilidade e a covardia que estão fazendo comigo. O Flamengo sempre foi minha primeira opção, sempre fez parte da minha vida, quem me acompanha sabe como eu sou, sabe minha conduta, o carinho que eu tenho pela instituição, pelo Flamengo. Eu fico triste pelo que estão tentando fazer comigo“, ele continua:

A covardia a gente não vai admitir, a falta de hombridade, eu particularmente não vou admitir. Me mandem embora e argumentem com o motivo que estão me mandando embora. Agora, por motivos políticos… Não vão fazer covardia, covardia não“, disse Clebinho chorando.

CONTRADIÇÕES DO CASO:

A primeira contradição se deve a justificativa do seu desligamento: A impossibilidade de cumprir duas funções. Assim como Braz, Clebinho também foi eleito vereador em 2020 e nos seus quase dois anos de mandato, nunca foi questionado sobre, nem mesmo quando teve que fazer campanha em Bom Jesus.

Outro fator interessante que tem ensejado um debate mais profundo sobre o assunto, é que em maio, o Conselho Deliberativo do Flamengo rejeitou uma emenda que obrigaria qualquer associado de se afastar de suas funções junto ao clube no período de campanha eleitoral. Em reunião com grupos de apoio, Landim orientou o voto contrário a proposta e o vice de futebol tentou influenciar conselheiros no momento da votação, conforme publicado pelo Coluna do Fla.

Outra justificativa que gera controvérsia, é o fato de Clebinho ser remunerado pelo Flamengo e Marcos Braz não. No estatuto do clube, não há nenhum impeditivo para qualquer funcionário ou para sócio que impeça que se acumule suas funções com qualquer cargo público. Recentemente, o presidente Rodolfo Landim foi cotado para presidir o Conselho de Administração da Petrobrás. Ao longo dos anos, outros profissionais do Rubro-Negro concorreram em eleições.

Internamente, a decisão de demitir Clebinho foi visto como um ato político de Marcos Braz e não institucional. Assim como no caso de João Mércio, repórter da FlaTV demitido em junho, caberá a Landim a decisão final pela formalização ou não do desligamento do roupeiro.

Foto: Alexandre Vidal/Flamengo

Por Tulio Rodrigues (@PoetaTulio)

+ Siga o Blog Ser Flamengo no Instagram, no Facebook, no Twitter, no Youtube e no Dailymotion

Comentários
Ser Flamengo - 2022 I Todos os direitos reservados | Newsphere by AF themes.